Jejum intermitente: devo seguir esse tipo de dieta?

De tempos em tempos surgem dietas que prometem ser a melhor solução para emagrecer, sem incômodos ou efeitos que possam ser prejudiciais à saúde. É o caso do jejum intermitente, uma dieta que consiste em restringir o consumo de calorias de 1 a 3 vezes por semana, com a intenção de reduzir o peso corporal depois de algumas sessões.

No artigo de hoje, vamos conhecer quais são os fundamentos do jejum intermitente, os seus efeitos e principalmente saber se qualquer pessoa pode seguir esta dieta, que vem se tornando cada vez mais popular entre os que desejam perder peso rápido.

Como funciona o jejum intermitente?

Assim como a maioria das dietas o jejum intermitente se tornou popular depois que algumas celebridades o adotaram. A ideia é que por alguns dias da semana (normalmente 2) o adepto tenha uma restrição de calorias entre 50 e 100% do seu consumo diário.

Alguns pulam uma das refeições, outros consomem menos e ainda existem aqueles que aumentam o intervalo entre as refeições para no final ter consumido menos calorias durante o dia. Com isto, estas pessoas conseguem aumentar os efeitos de sua dieta, potencializando a perda de peso. Como este tipo de jejum é feito apenas em alguns dias da semana o adepto não tem tantas dificuldades para executar.

Apesar da impressão de ser uma dieta de “2 dias apenas” é importante deixar claro que nos outros dias a pessoa deve ter também uma alimentação balanceada. Ou seja, de qualquer forma você precisará seguir uma dieta de poucas calorias no cardápio semanal. A ideia do jejum é que o adepto vá ao extremo e possa eliminar até 100%, das poucas calorias que já consome, em alguns dias da semana. Por isso, esta prática acaba sendo tão questionável.

Quais os riscos para os adeptos?

Toda dieta restritiva tende a apresentar riscos, pois pode cortar alimentos e nutrientes importantes para manter o seu metabolismo em ordem. O jejum intermitente é considerado a “dieta da dieta”, pois o adepto já está seguindo uma alimentação reduzida de calorias e resolve cortar ainda mais. Portanto, a pessoa aumenta os riscos e as chances de ter problemas de saúde. Para evitar isto, é importante ficar atento a estes cortes e principalmente, a quantidade de vezes por semana que eles são feitos.

O maior risco para quem adota o jejum intermitente é transformar ele em um hábito regular. A ideia é restringir parcialmente, mas a pessoa pode acabar se sentindo confortável para restringir totalmente, realizando a dieta por vários dias seguidos. É normal, que uma pessoa fique ansiosa para emagrecer, e com o jejum intermitente ela encontra uma maneira de acelerar este processo. Assim, pode até ser que ela consiga reduzir medidas como desejado, mas provavelmente colocará a saúde em risco.

Devo seguir esta ou outra dieta do tipo?

A grande questão em relação a este tipo de dieta é a falta de estudos, documentação e resultados que comprovem a isenção de riscos de quem se torna adepto. Mesmo que não haja problemas inicialmente, em longo prazo os efeitos destas restrições são sentidos pelo corpo. Portanto, a melhor dieta ainda é seguir uma vida equilibrada e com uma alimentação saudável. E o melhor que você pode fazer é comer de tudo nos horários certos e não depender de jejuns, que podem atrapalhar o seu metabolismo, e ainda deixar o seu corpo dependente.

E você o que achou do jejum intermitente? Quer saber mais sobre como manter uma vida mais equilibrada e saudável? Não deixe de curtir nossa página no Facebook para mais publicações e novidades!