Como evitar a insuficiência de vitamina D

O debate sobre a insuficiência de vitamina D e as consequências da sua falta no organismo vem ganhando cada vez mais espaço na comunidade médica, pois tem crescido o número de pessoas que apresentam um deficit da vitamina. Diversos fatores tendem a causar a insuficiência de vitamina D, o principal deles, é a baixa exposição à luz do sol. Confira a seguir tudo sobre esse delicado assunto.

Qual é a importância da vitamina D?

A vitamina D é importante para equilibrar cálcio e fósforo no organismo, garantindo a saúde de ossos e dentes, além de ser de grande valia na formação de uma nova vida, no caso das grávidas, e ser grande aliada do sistema imunológico, da genética e secreção hormonal. A insuficiência de vitamina D pode prejudicar a mineralização óssea, levando crianças a desenvolverem raquitismo, além de poder causar má formação de fetos e osteoporose em adultos.

A vitamina D é capaz de promover outros benefícios ao organismo, entre eles:

  • Redução de desenvolvimento de diabetes;
  • Fortalecimento do sistema cardiovascular;
  • Proteção de genes;
  • Saúde mental;
  • Controle de peso;
  • Manutenção de massa muscular.

Como saber quais são os níveis de vitamina D no nosso organismo?

Existe dois exames laboratoriais chamados 25 HidroxiVitamina D e 1,25 dihidroxiVitamina D. O primeiro aponta os níveis de vitamina D sintetizada pelo organismo e o segundo nos mostra a forma ativa da vitamina D após sua passagem pelos rins.

Através do exame 25 HidroxiVitamina D é possível saber quais são os níveis sanguíneos da vitamina no organismo:

  • Deficiência grave: < 5ng/mL
  • Deficiência: < 20ng/mL
  • Insuficiência: 20 – 30ng/mL
  • Suficiência: > 30ng/mL

De acordo com médicos especialistas em doenças osteometabólicas, os principais perigos da insuficiência de vitamina D são asma, gripe, enfraquecimento dos ossos, fraqueza muscular, depressão, doenças cardiovasculares e até mesmo câncer.

Como evitar a insuficiência de vitamina D?

Quando sintetizada na pele exposta ao sol, a vitamina D é chamada de colecalciferol. Essa produção de colecalciferol depende da exposição solar e também de outros fatores, como estado de saúde da pele, cor da pele e genética, por exemplo.

Alimentos como leite, suco de laranja, atum, sardinha, salmão, gema de ovo e queijos são boas fontes da vitamina, porém nem sempre a quantidade ingerida é suficiente para suprir as necessidades do organismo. Dessa forma, é necessário obter vitamina D através de outras fontes, como suplementos, por exemplo.

Dermatologistas afirmam que apenas 15 minutos de exposição solar diariamente, mesmo que somente no rosto, mãos e braços já são suficientes para aumentar a produção de vitamina D.

Hoje em dia o estilo de vida das pessoas praticamente não permite exposição solar, tampouco uma boa alimentação. Trabalhadores ficam presos dentro de escritórios diariamente trajando roupas compridas e quando precisam se expor ao sol abusam dos protetores solares com medo de câncer de pele ou surgimento de manchas, além de não se alimentarem de maneira satisfatória. Com isso a síntese de vitamina D é totalmente prejudicada.

Nesses casos é preciso ficar de olho nos níveis de vitamina D e se os resultados forem insatisfatórios é importante procurar ajuda de um médico para suplementar a vitamina de maneira segura. Vale salientar que altos níveis da vitamina D são tão maléficos quanto os baixos níveis.

A insuficiência de vitamina D é vista por médicos e cientistas como uma epidemia a nível global que precisa ser combatida e controlada. E você? O que faz para manter a vitamina D em níveis saudáveis? Ingere os alimentos indicados, expõe-se ao sol? Conte pra gente através dos comentários, vamos adorar saber o que você tem a dizer.